Música em Mente – “Dust in the Wind”

 

Dust In The Wind | Poeira no vento

 

I close my eyes | Eu fecho meus olhos

Only for a moment | Apenas por um momento

And the moment’s gone | E o momento se foi

All my dreams | Todos os meus sonhos

Pass before my eyes, in curiosity | Curiosamente passam diante dos meus olhos

 

Dust in the wind | Poeira ao vento

All we are is dust in the wind | Tudo o que somos é poeira no vento

 

Same old song | A mesma velha música

Just a drop of water in an endless sea | Apenas uma gota d’água em um mar infinito

All we do | Tudo o que fazemos

Crumbles to the ground though we refuse to see | Cai em pedaços embora nós nos recusemos a enxergar

 

Dust in the wind | Poeira ao vento

All we are is dust in the wind | Tudo o que somos é poeira no vento

 

Now, don’t hang on | Agora, não fique esperando

Nothing lasts forever but the earth and sky | Nada dura para sempre, apenas a terra e o céu

It slips away | O tempo foge

And all your money won’t another minute buy | E todo o seu dinheiro não comprará outro minuto

 

Dust in the wind | Poeira ao vento

All we are is dust in the wind | Tudo o que somos é poeira no vento

Dust in the wind | Poeira ao vento

Dust in the wind | Poeira ao vento

Everything is dust in the wind | Tudo isso é poeira no vento

 

Existem algumas bandas e músicas que podem não ser muito conhecidas da maioria das pessoas, mas provavelmente estão no “inconsciente musical coletivo”, quero dizer, é aquela música que você ouve e sabe que já ouviu antes, é capaz até de cantarolá-la. “Dust in the Wind” é provavelmente um desses casos e se você executar a versão abaixo, disponível no youtube, você irá perceber isso.

Digo isso porque recentemente esta música me chamou a atenção enquanto ouvia uma playlist em meu celular. Primeiro pela beleza da melodia e pelo belo solo de violino, mas especialmente pela letra também. Você pode acompanhar a tradução da música acima.

Percebendo o conteúdo da letra, não pude deixar de notar que de alguma forma ele teria se baseado em conceitos e metáforas extraídos da Bíblia. Fui investigar e, de fato, descobri que o autor da música, Kerry Livgren, tomou como base o “mais mal-humorado livro da Bíblia”, (parafraseando o famoso livro do pastor Ed René Kivitz), Eclesiastes, especialmente em seu tão presente texto “correr atrás do vento” (Ec. 1.14; 1.17; 2.11; 2.17; 2.26; 4.4; 4.6; 4.16; 6.9) associado também ao texto de Gênesis “és pó e ao pó voltarás” (Gn 3.19). A letra da música é simples e auto-explicativa, mas cabe uma boa reflexão em cada verso.

Kerry Livgren foi um dos fundadores da famosa Banda Kansas em 1974. Em 1977 compôs a música acima, que tornou-se um dos maiores sucessos da banda. Interessantemente, alguns anos após ter feito esta música, Livgren se converteu, tornando-se cristão protestante. Na verdade, ao ler a biografia dele, consigo perceber um interesse muito grande em cobrir o seu “vazio”. Eu diria que, uma pessoa que escreve um texto desse, com clara percepção de como nossa vida, nossos sonhos, nossas obras são tão passageiros, como “poeira no vento”, está perto de descobrir algo mais.

kerrylivgren_web_portrait

Kerry Livgren – Um dos fundadores da Banda Kansas e autor de “Dust in the Wind”.

Livgren primeiramente teria se aproximado da “Doutrina Urântia”, baseada no “Livro de Urântia”. O “Livro de Urântia” trata-se de alguns textos escritos da década de 1930 em Chicago baseado em supostas revelações e que abordam ciência, religião e filosofia. Aborda o cristianismo de maneira própria que não caberia discutir aqui, mas cabe saber que até hoje ainda há seguidores. De qualquer forma, esse interesse por religião e, especialmente por Jesus Cristo, teria levado Livgren a uma série de debates na parte de trás do ônibus de seus tours, com Jeff Pollard da banda Lousiana´s Le Roux que fazia a abertura dos shows da Kansas. Jeff Pollard, vinha de uma família cristã e inclusive, pouco tempo depois, se dedicaria exclusivamente a seu ministério cristão, sendo hoje um conhecido pastor na Providence Baptist Church em Ball, Los Angeles. Após essas discussões, Kerry Livgren, teria abandonado a doutrina Urântia, para se apegar ao cristianismo evangélico. A experiência de conversão teria ocorrido em um quarto privado de hotel.

Após a conversão, Kerry Livgren passou a dedicar boa parte de sua carreira à música gospel, criando seu primeiro álbum solo “Seeds of Change” em 1980. Manteve-se na Banda Kansas até 1983, inclusive compondo músicas com cunho bastante religioso. Em 1983 se desliga da banda, vindo a formar o grupo AD, de rock cristão, que não fez tanto sucesso. Depois segue diversos projetos, especialmente em carreira solo, vindo inclusive a reintegrar a banda Kansas por alguns períodos na década de 90 e anos 2000.

Curiosamente, no início da década de 80 a banda Kansas chegou a ter três de seus integrantes cristãos: Kerry Livgren, Dave Hope e John Elefante. John Elefante, juntamente com seu irmão Dino é bastante conhecido no meio gospel por ter produzido músicas para a banda Petra e Shout. Apesar de tanto “amor cristão” na banda, as coisas não andaram bem por muito tempo, tendo os diversos conflitos de interesse levado ao desmantelamento da Kansas.

Hoje, Kerry Livgren tem diversas músicas de cunho religioso. Aparentemente se dedica a um de seus maiores projetos, uma cantata orquestrada chamada “A Ressurreição de Lázaro”. Além disso, é professor de escola dominical em sua igreja em Topeka, no estado de Kansas nos Estados Unidos (Topeka Bible Church). Apesar de tão famoso por suas músicas, Livgren afirma que isso é apenas uma parte de sua vida. Em sua biografia Seeds of Change: The Spiritual Quest of Kerry Livgren (“Sementes da Mudança: A Busca Espiritual de Kerry Livgren”), ele afirma:

“Eu sou um homem de família, tenho um papel na minha igreja, eu estou correndo com uma gravadora, um estúdio, uma empresa de produção, uma fazenda, e eu tenho mais hobbies e interesses do que há horas no dia.”

Um homem tão produtivo tem a certeza de que somente em Deus podemos encontrar algo mais do que “poeira no vento”. Salomão, o homem mais sábio e, provavelmente, um dos mais produtivos de sua época, chegou a essa conclusão há mais de 2500 anos. Claro que isso não nos impede de nos deleitar e “louvar a alegria” como está em Eclesiastes 8.15, como a feliz melodia do solo de violino da música Dust in the Wind, que me dá a clara impressão de estar sendo levado tranquilamente pelo vento.

“Tenho visto tudo o que é feito debaixo do sol; tudo é inútil, é correr atrás do vento… Fiquei pensando: Eu me tornei famoso e ultrapassei em sabedoria todos os que governaram Jerusalém antes de mim; de fato adquiri muita sabedoria e conhecimento. Por isso me esforcei para compreender a sabedoria, bem como a loucura e a insensatez, mas aprendi que isso também é correr atrás do vento.” Eclesiastes 1.14,16-17