Lendo e Entendendo a Bíblia (2) – Introdução à Epístola aos Filipenses

filipos

Epístola do Apóstolo Paulo aos Filipenses

Autor: Apóstolo Paulo. Logo no início da carta Paulo se apresenta, juntamente com Timóteo. Apesar disso, toda a carta tem um tom pessoal e singular, dando a entender que apesar de querer registrar a presença de Timóteo ao seu lado, Paulo é o verdadeiro remetente desta carta. A carta foi levada por Epafrodito.

Destinatários: Os cristãos da Igreja primitiva na cidade de Filipos

Objetivos: Além dos ensinamentos descritos na carta, e das exortações, Paulo escreve para agradecer à Igreja de Filipo que o ajudou em um momento de necessidade e para informá-los de seu estado pessoal.

Situação e História: A cidade de Filipos, na Macedônia Oriental, a 16km do Mar Egeu, recebeu este nome em homenagem a Filipe II, pai de Alexandre, o Grande. Foi conquistada pelo próprio Filipe II em torno de 358 a.C, em seu domínio sobre os trácios. Em 108 a.C passou ao controle romano e em 42 a.C foi cenário da batalha entre Brutos e Otaviano (Augusto), que deu origem ao Império Romano. Filipos torna-se então colônia de Roma e seus habitantes, cidadãos romanos.

A Bíblia a cita em At 16.12 como a “primeira” cidade da Macedônia, provavelmente pelo fato de ser a primeira cidade depois de entrar na Macedônia, vindo do Leste (alguns estudiosos consideram que ela é assim chamada talvez por sua importância distrital).

Filipos era uma cidade cosmopolita e reunia indivíduos de nacionalidade diversa – gregos, romanos, asiáticos -, representando fases diferentes de filosofia, religião e superstição. Apesar de não claro, diversos sinais apontam para a existência de certo anti-semitismo na cidade (sim, já nessa época), demonstrado pela existência de poucos judeus na cidade e pela inexistência de uma sinagoga, e também pelo fato de que Paulo (sim, Paulo era judeu, não se esqueça), preferiu pregar nas margens do rio, nos arredores da cidade e foi perseguido e preso nesta cidade, condenado por causar distúrbios e também por pregar uma religião alienígena, que não era lícito aos romanos praticarem (pois é, eles podiam adorar uma infinidade de deuses, explorar o esoterismo e adivinhações, mas não era lícito aceitar o que Paulo pregava). A igreja primitiva, que era muito associada ao judaísmo, sofreu portanto dificuldades nesta cidade.

A Igreja: Paulo fundou a igreja em Filipos em sua segunda viagem missionária (ver figura abaixo), em torno de 52 d.C. Lídia, uma mulher de negócios, vendedora de púrpura, foi a primeira pessoa da Europa a se converter ao cristianismo (apesar de ser asiática). Na sequencia temos a escrava, que era explorada para a prática de adivinhação, e o carcereiro da prisão em que estava Paulo.

2_viagem-missionaria-de-paulo

É importante destacar também o papel da mulher, na sociedade macedônica. Diferente de outras regiões, já nesta época as mulheres podiam realizar negócios, comandar exércitos, erigir fortalezas e fundar cidades (W.W. Tarn e G.T. Griffith em Hellenistic Civilization, Londres, 1952). Da mesma forma na igreja elas tiveram papel fundamental. Não é a toa que Paulo em Fp 4.3 faz uma citação específica a estas mulheres.

Lugar e Data da Escrita: Tradicionalmente acredita-se que Paulo estava na prisão em Roma quando escreveu a carta, já próximo do fim de sua vida, em 60-61 d.C. Alguns estudiosos defendem que na verdade ele estava na prisão em Éfeso ou Cesaréia, que teria acontecido anos antes na vida de Paulo, mas ao fim, não há bases suficientes para sustentar uma ou outra cidade.

Características Especiais:

– É uma das cartas de Paulo mais pessoais e afetuosas, refletindo assim o estreito relacionamento entre Paulo e os crentes filipenses

– Alguns estudiosos defendem ser essa epístola na verdade uma junção de 2 ou mais cartas de Paulo aos Filipenses, principalmente pelo fato de o capítulo 3 apresentar uma aparente mudança brusca, em seu caráter e assunto, e ao final, no capítulo 4, o autor retornar a assuntos pessoais e afetivos.

– Contém uma das declarações cristológicas mais profundas da Bíblia em 2.5-11, texto que Paulo provavelmente extraiu de uma canção da época.

– Contém alguns dos maiores ensinamentos e conselhos de Paulo, especialmente para um povo que, talvez pela tradição helenística, parece mais racional e sedento de explicações e da sabedoria de Paulo. Esse é um dos motivos pelo qual escolhemos esta epístola para iniciarmos nosso estudo neste site.

“E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus.

Quanto ao mais irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai.” Fp 4.7-8

Fontes:

Bíblia de Estudo Pentecostal, Tradução João Ferreira de Almeida, Revista e Corrigida. – 1995 por Life Publishers, Deerfiel, Flórida, Publicada pela Casa Publicadora das Assembleias de Deus, Brasil – SBB – 2001.
– John A. Knight – Comentário à Epístola aos Filipenses, parte integrante do Comentário Bíblico Beacon – Publicado pela Casa Publicadora das Assembleias de Deus – 1a Edição/2006 – Rio de Janeiro, RJ, Brasil
– Ralph P. Martin – Filipenses Introdução e Comentário, parte integrante da Série Cultura Bíblica – Vida Nova – Publicado por Sociedade Religiosa Edições Vida Nova – 2008 – Saõ Paulo, SP, Brasil